WWDC 2017: Apple apresenta iOS 11

A Apple apresentou a nova versão do seu sistema operacional móvel, o iOS 11, nesta terça-feira, 5. Entre os destaques da apresentação feita no palco da edição 2017 da conferência para desenvolvedores WWDC estão um novo kit de realidade aumentada, pagamento de pessoa para pessoa no Apple Pay e a tecnologia Core ML, que traz o machine learning para desenvolvedores. Contudo, ao contrário do que se esperava, o foco da apresentação ficou muito mais para as novidades que envolvem não o smartphone iPhone, mas a nova família de tablets iPad Pro.

iOS para iPad

Com novas versões do iPad Pro, a Apple procurou dar um bom destaque da apresentação do novo OS para novas funcionalidades do iOS 11 destinadas ao tablet. Agora, o Dock de apps do iPad fica customizável, com o usuário podendo colocar os apps em qualquer canto da tela para fazer double screen e fazer uso de outra tecnologia, permitindo mais uso multitarefa do dispositivo.

Além disso, Apple apresentou o app Files para gerenciamento de arquivos de vários serviços de clouding em um único lugar (como Box, DropBox, OneDrive e Google Docs), a função Drag Drop para arrastar fotos e textos para edição, e a abertura do Notas Instantâneas da tela de travamento.

iOS para todos

Para os iPads e demais devices que utilizam o sistema operacional, a Apple trouxe melhorias em sua câmera, em pagamentos e na Siri. A assistente digital de iPhones e iPads, que conta com 375 milhões de dispositivos ativos mensais em 36 países, ganhou funções de aprendizado de máquina (em inglês “machine learning”). Ela passa a aprender com pesquisas e conteúdos do usuário no dispositivo e passa a oferecer opções de digitação e notícias sobre temas pesquisados. Além disso, frases em inglês poderão ser traduzidas instantaneamente para chinês, alemão, francês, italiano ou espanhol.

Na câmera, a Apple passará a adotar padrões HEVC no lugar de H264 para gravações em vídeos, e HEIF substitui JPEG para fotos capturadas com sua câmera. A ideia da fabricante norte-americana é dar mais qualidade na captação de imagens, mas ao mesmo tempo diminuir o tamanho consumido por este tipo de conteúdo. O app Live Photos ganha versões de looping (vai e volta) e bounce (retorno infinito). Além disso, ganha um modo de foto em retrato (na vertical) com controle de estabilidade de imagem, flash true tone e alta definição.

Em pagamentos, os usuários que utilizam o sistema de pagamento Apple Pay (ainda não lançado no Brasil) terão a opção de transferir dinheiro para amigos ou pagamento de pessoa para pessoa (P2P). A transação ocorrerá via aplicativo iMessage e poderá ter auxílio da Siri (ao pedir para a assistente transferir uma quantia “X” para alguém). O dinheiro é enviado de uma conta na App Store para outra conta App Store. Quando a pessoa receber, ela poderá deixar a quantia armazenada na carteira digital ou transferir para sua conta bancária. Craig Federighi, VP da Apple para engenharia de software, enfatizou o avanço do serviço nos Estados Unidos, que deve ser aceito em 50% dos comerciantes do país até o final do ano.

Outras novidades que a Apple trouxe para o iOS são o app Do Not Disturb While Driving: uma alternativa aos consumidores que não tem o Apple Carplay em seus carros, ele funcionará para evitar que o motorista tire os olhos da estrada. Além disso, também há o redesenho da App Store, o novo centro de controle no canto inferior da tela com controle via Touch ID, melhoria do serviço de Mapas para aeroportos e shoppings nos Estados Unidos, controle de caixas de som via Air Play 2 e criação de perfis na Apple Music.

iOS para desenvolvedores

Aos desenvolvedores, a Apple reservou grandes novidades em avanços tecnológicos para o sistema operacional. A primeira delas e mais importante é o ARKit, um kit para desenvolvimento de aplicativos que aceitem o uso da realidade aumentada por meio da câmera de um iPhone ou iPad. O primeiro exemplo de uso do ARKit será uma nova versão do game Pokémon Go, que tornará mais real a sensação de capturar um bichinho virtual.

Outro destaque destinado aos criadores de aplicativos e plataformas é o Core ML, uma tecnologia que permite adicionar aprendizado de máquina a seus aplicativos. Desse modo, o app poderá prever e oferecer ações ao usuário mesmo antes de ele fazê-la. Destacam-se também SiriKit e MusicLit, que permitem integração das duas plataformas da Apple aos apps de desenvolvedores, e uma nova versão do HomeKit, que permitirá autenticação de dispositivos usando o software. Um modelo do sistema operacional para desenvolvedores já está disponível. A versão beta chega no fim deste mês, e o OS será lançado ao público em geral no segundo semestre de 2017.   

Relógio de cara nova 

O sistema operacional para o Apple Watch também ganhou uma nova versão hoje, o watchOS 4. Ela traz melhorias no aplicativo Workout e um novo aplicativo GymKit para parear o vestível com o equipamento favorito de avaliação cardíaca.

Mas aqui o principal destaque é a aguardada integração do OS com a Siri. Ela aprenderá sobre os principais usos de seus consumidores e trará suas funcionalidades para a tela de cada relógio, seja um compromisso ou uma meta de quilômetros percorridos em uma atividade matinal.

Outras funções novas são: a criação de objetivos mensais que recebem uma celebração na tela do relógio quando alcançados, monitoramento de natação, controle da música no relógio, e a já abordada função de pagamento de pessoa para pessoa. O watchOS 4 chega aos usuários da Apple no segundo semestre. O WatchKit já está disponivel para desenvolvedores criarem apps aos consumidores.

WWDC 2017: Apple apresenta iOS 11