Google I/O 2018: Android P terá recursos de inteligência artificial para melhorar a experiência do usuário

Durante o Google I/O 2018, a empresa norte-americana anunciou que o novo sistema operacional móvel, o Android P, já está disponível em versão beta para os desenvolvedores no Google Pixel, mas também para modelos das marcas Sony, Xiaomi, Nokia, Oppo, Vivo OnePlus e Essential.

Nele, características desenhadas pela inteligência artificial moldam um OS que deve ser mais inteligente, simples e que busca o bem-estar de seu usuário, incentivando-o a largar o vício do smartphone de vez em quando.

Bateria

Por inteligente, o VP de engenharia Android Dave Burke deu como exemplo a bateria adaptável. “Estabelecemos uma parceria com a DeepMind para criar a Adaptive Battery, que prioriza a energia da bateria apenas para os aplicativos e serviços que você mais usa, para ajudá-lo a extrair o máximo dela”, explicou. A bateria prevê de quais aplicativos o usuário vai se servir em um futuro próximo e quais aplicativos ele só verifica de vez em quando. Por meio de machine learning, o Google coloca em suspensão apps que não são usados com freqüência. A empresa disse que isso pode levar a uma redução média de 30% nos wake-ups de aplicativos e fazer com que a bateria do celular dure mais.

Brilho

Outro recurso acionado de acordo com o monitoramento da utilização do celular, também feito por meio de machine learning, é o brilho adaptável, que escurece a tela quando prevê que a pessoa não precisará do smartphone muito iluminado. Ele aprende como o usuário gosta de definir o controle deslizante de brilho, considerando o ambiente ao seu redor.

App Action e Slices

A inteligência artificial também está presente no recurso App Action, que procura antecipar automaticamente a próxima ação do usuário ao fornecer sugestões de aplicativos para serem usados em um determinado momento do dia. Por exemplo: ao conectar os fones de ouvido no celular, o Android P exibirá o Spotify.

Já o Slice permite que você acesse funções específicas de um aplicativo ao procurar por ele no buscador do Google. No exemplo dado em sua palestra, Burke aciona o Lyft e, automaticamente, o app dá opções de corrida até o trabalho ou casa já com os preços sugeridos. Com isso, cabe ao usuário clicar na opção desejada e o Android abrirá o app já com o itinerário preenchido.

Bem-estar

Se os pesquisadores ainda não decidiram se é o smartphone que pode viciar ou se é a interação social, os desenvolvedores do Google incrementaram recursos que podem ajudar àqueles que não sabem viver a menos de 1 metro de seus celulares para alcançar um equilíbrio desejado com a tecnologia. Para isso, a empresa acredita que a informação vai ajudar o usuário a se controlar mais. Com o novo Painel, será possível saber quanto tempo a pessoa gasta no seu dispositivo, nos aplicativos, quantas vezes seu smartphone foi desbloqueado e até quantas notificações foram recebidas.

Google I/O 2018: Android P terá recursos de inteligência artificial para melhorar a experiência do usuário