Serviços financeiros: Banco Central liquida operador do Neon por dívidas e violações

O Banco Central (BC) decretou a liquidação extrajudicial do Banco Neon S.A (antigo Banco Pottencial), uma pessoa jurídica distinta da Neon Pagamentos, mas que opera como banco liquidante da fintech. Na decisão assinada nesta sexta-feira, 4, pelo presidente do BC, Ilan Goldfjan, o BC constatou “o comprometimento da situação econômico-financeira, bem como a existência de graves violações às normas legais e regulamentares que disciplinam a atividade da instituição”.

Segundo a assessoria do Banco Central, por “comprometimento da situação econômico-financeira”, o BC quis dizer que o Banco Neon S.A. estava com o patrimônio líquido negativo na ordem de R$ 28 milhões de reais.

Já com relação “às normas legais e regulamentares”, ainda de acordo com a assessoria do BC, o Neon não teria cumprido com as normas relacionadas à prevenção à lavagem de dinheiro.

Em nota, o Banco Central frisa que “as irregularidades encontradas no Banco Neon não estão relacionadas com a abertura e movimentação de conta digital ou com a emissão de cartões pré-pagos, objeto de acordo operacional com a empresa Neon Pagamentos S.A. para estruturação de plataforma de banco digital integrada com a gestão de contas de pagamento”. No entanto, no momento, os clientes podem usar os cartões apenas para compras e saques.

No entanto, as outras operações intermediadas pelo Neon, como pagamento de boletos, envio e recebimento de transferências, utilização do cartão de crédito (lançado em abril deste ano), resgate de Certificados de Depósitos Bancários (CDB) e recarga de celular, estão bloqueadas e não poderão mais ser usadas pelos correntistas. Ao menos até a Neon Pagamentos encontrar um novo banco liquidante.

De acordo com a assessoria do Banco Central, a maior parte do montante dos correntistas em suas contas digitais será ressarcida pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

Lado da fintech

A Neon Pagamentos ressalta que “é uma pessoa jurídica distinta do Banco Neon, com sócios e administradores independentes” e que “o anúncio não interfere na administração da Neon Pagamentos”.

A fintech explicou que firmou um acordo com o Banco Neon em 2016 – ano de sua fundação – para oferecer contas de pagamento e serviços financeiros. Agora, a Neon Pagamentos busca um novo banco liquidante para regularizar a prestação de seus serviços.

O decreto do Banco Central surge um dia após a Neon Pagamentos receber R$ 72 milhões em uma rodada de investimentos da série A. Além disso, a empresa passou a emitir cartões de crédito para seus clientes no mês passado e se preparava para operar contas de pessoas jurídicas.

Serviços financeiros: Banco Central liquida operador do Neon por dívidas e violações