Transporte de passageiros: Classes C, D e E puxam o crescimento do uso de Uber no Brasil

O transporte privado em táxis e carros particulares continua sendo o serviço O2O (online to offline) mais popular do Brasil e também o que mais cresce, revela a nova edição da pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre comércio móvel no Brasil. Um ano e meio atrás, em setembro de 2016, 34% dos internautas brasileiros com smartphone já haviam experimentado pedir uma corrida através de um app. Em março de 2017 a proporção subiu para 50%. Em setembro de 2017, chegou a 58%. E agora, com dados de março deste ano, alcançou 64%. Nesta onda mais recente da pesquisa foram entrevistados 1.953 internautas brasileiros que possuem smartphone. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.

O aumento da penetração desse serviço acontece graças ao avanço nas camadas da população de renda mais baixa. Em apenas seis meses saltou de 52% para 61% a proporção de internautas das classes C, D e E que já utilizaram esse serviço, enquanto nas classes A e B aumentou somente 1 ponto percentual, passando de 74% para 75%. A popularização se reflete também no tipo de corrida solicitada. A preferência por corridas com carona compartilhada (exemplo: Uber Pool) subiu de 12% para 22% em seis meses. A proporção de usuários que preferem uma corrida individual (sem carona) em carro particular caiu de 55% para 48%. E o percentual que prefere táxis comuns diminuiu de 11% para 8%.

O Uber mantém a liderança isolada desse mercado, sendo o app mais usado de acordo com 87% dos usuários desse serviço. Merece destaque o crescimento do 99 em seis meses. A empresa vinha perdendo share continuamente há um ano e meio e agora voltou a crescer, sendo a mais usada de acordo com 10% dos usuários desse serviço.

O relatório completo da pesquisa traz também dados sobre os segmentos de delivery de comida; serviços de beleza; venda de ingresso; reserva de hospedagem; e venda de produtos físicos. O documento está disponível para download gratuito em www.panoramamobiletime.com.br.

Transporte de passageiros: Classes C, D e E puxam o crescimento do uso de Uber no Brasil