5G: 5G terá 52 milhões de conexões na América Latina em 2025

As primeiras redes de quinta geração (5G) na América Latina são esperadas para entrar em operação em 2020, com uma cobertura que abrangerá somente 3% da população. Em 2025, essa tecnologia estará cobrindo 45% da população latino-americana e somará 52 milhões de conexões na região, informa relatório da GSMA publicado nesta terça-feira, 31, durante o evento Mobile 360, em Bogotá, na Colômbia.

“O 5G ainda não está padronizado. O que existe hoje são versões diferentes de pré-5G competindo pela padronização. Por isso não podemos dizer que estamos atrasados em 5G. Ninguém tem 5G de verdade ainda”, comenta Sebastian Cabello, head da GSMA para a América Latina. Ele destaca, contudo, a importância de os governos locais liberarem um bom mix de espectro para o 5G, mesclando frequências baixas, médias e altas, ao longo dos próximos anos.”Ter espectro guardado e sem uso, nos dias de hoje, é um pecado”, comentou.

Em palestra no mesmo seminário, o CEO da Claro, Paulo Cesar Teixeira, relembrou a história das tecnologias anteriores, demonstrando que o Brasil, especificamente, está reduzindo a distância em relação aos países desenvolvidos: “O GSM chegou ao Brasil oito anos depois do resto do mundo. O 3G levou demorou seis anos. E o 4G , quatro anos. Acho que o 5G vai levar rmenos ainda”.

Por sua vez,o diretor-executivo da Telefônica para o sul da América Hispânica, Luis Malvido, reforçou a importância de o poder público contribuir para o fomento do 5G na região, facilitando a instalação de novas antenas e da infraestrutura fixa que vai apoiá-las, notadamente, cabos de fibra óptica. Além disso, recomendou que os leilões de espectro não sirvam apenas para gerar caixa para os governos, mas que visem o fomento da economia digital, com a deifnição de metas de cobertura em áreas remotas, por exemplo.

5G: 5G terá 52 milhões de conexões na América Latina em 2025