Desenvolvimento: Moobie adota backend com arquitetura segmentada por microsserviço

A Moobie (Android, iOS), start-up brasileira de compartilhamento de carros particulares, adotou uma das mais novas tendências mundiais em arquitetura de backend: a segmentação por microsserviço, ou seja, orientada por eventos. É a mesma estratégia de desenvolvimento utilizada por algumas gigantes internacionais, como Netflix, Spotify, LinkedIn e AirBNB. Essa arquitetura consiste em separar cada microsserviço dentro do app, de forma que o código de cada um possa ser atualizado isoladamente, sem que o serviço como um todo precise sair do ar. No caso do Moobie, são tratados separadamente as áreas de cadastro de clientes; cadastro de carros; anúncios de carros; reservas de carros; e pagamentos.

O oposto disso é a chamada arquitetura monolítica, desenvolvida em um bloco único. Embora seja mais rápida e fácil de programar que aquela segmentada por microsserviços, a arquitetura monolítica tem como desvantagem o risco de precisar tirar o serviço todo do ar quando acontece um problema, mesmo que seja em uma área pequena e específica. Na arquitetura de microsserviços, o departamento que apresentar um problema pode ser isolado e consertado separadamente, enquanto os outros seguem operando normalmente.

“A arquitetura de microsserviços é uma tendência, não é só um modismo. Ela gera ganhos de performance e na experiência do usuário. Não é qualquer arquiteto de backend que sabe fazer isso, porque a complexidade é maior. Muitas start-ups às vezes optam pela arquitetura monolítica para lançar mais rápido. Porém, depois de três ou quatro anos precisam refazer todo o sistema”, comenta Tamy Lin, CEO e fundadora da Moobie.

Para o futuro, com o crescimento da operação, outra tendência será a de segmentar a própria equipe de desenvolvedores, formando times especializados para cada microsserviço. É o que já acontece em algumas das grandes empresas estrangeiras que adotaram essa arquitetura de backend. Lin acredita que sua escolha ajude também a reter talentos, pois os desenvolvedores se sentem atraídos em trabalhar com essa estrutura moderna de backend.

A Moobie levou seis meses para desenvolver sua primeira versão comercial do app, cujo lançamento aconteceu no primeiro trimestre deste ano. O serviço está disponível na Grande São Paulo e conta hoje com 400 automóveis e 7 mil usuários cadastrados.

Forum Mobile+

Lin vai participar do painel “Novos marketplaces móveis”, durante o Fórum Mobile+, seminário que acontecerá nos dias 4 e 5 de setembro, no hotel Pullman Vila Olímpia, em São Paulo. Participarão do mesmo painel: Gabriel Porto, vice-presidente de marketing da VivaReal; Mauro Piazza, diretor da Rapiddo; e Robson Parzianello, CTO do Farmacias App.

O Forum Mobile+ contará também com painéis sobre insurtechs; o futuro do dinheiro; segurança em transações móveis financeiras; e o impacto da mobilidade no varejo físico. Entre os palestrantes confirmados há representantes de empresas como Banco do Brasil, Visa, Samsung, Paypal, Totvs, McDonald’s, Oi, dentre outros. Para conhecer a agenda completa e obter mais informações, acesse www.forummobile.com.br. Para compra de ingressos, ligue 11-3138-4619 ou escreva para eventos@mobiletime.com.br

Desenvolvimento: Moobie adota backend com arquitetura segmentada por microsserviço