Serviços móveis: Claro adota voz ilimitada para pós-pagos

A Claro anunciou nesta terça, 25, o seu plano flat fee para clientes pós-pagos, além de uma reformulação na oferta pré-paga. É o passo mais agressivo em termos de estratégia de marketing já dado pela empresa e representa um inovação ainda não vista em grande escala no mercado brasileiro, apesar de ser uma estratégia comum a grandes operadoras em outros países. A ideia é que os clientes dos serviços móveis na modalidade pós-paga possam escolher entre planos cujo diferencial está no preço e na franquia de dados, mas sem nenhuma cobrança adicional pelo uso de voz. As chamadas passam a ser ilimitadas para qualquer número (fixo ou móvel) de qualquer operadora. A restrição apenas é que nas chamadas de longa distância seja utilizado o código da Embratel (21), pertencente ao mesmo grupo. Até aqui, as operadoras praticavam esse modelo para dentro de suas próprias redes, ou com um certo limite para redes de terceiros. Os planos pós-pagos começam em R$ 119,90 com uma franquia de 5 GB e vão até franquias de R$ 25 GB. A conversão para os novos planos é voluntária, ou seja, não será feita automaticamente, e não há fidelidade. Eles valerão para os clientes do Combo Multi (celular Claro mais serviços de TV paga e banda larga da Net), que hoje representa 40% das novas adições de pós-pagos da operadora. Nesse caso, as franquias e velocidade da banda larga fixa são em dobro.

O plano controle não tem esse benefício da tarifa fixa para chamadas de voz, mas ganha um reforço de franquia, que passa a ser de no mínimo 2 GB para o plano mensal de R$ 39,90 ou 3 GB por R$ 54,90. No pré-pago Prezão, de recarga semanal, a franquia é de 1 GB e 100 minutos para qualquer operadora

“Queremos andar na frente e fazer o que ninguém fez”, disse Márcio Carvalho, diretor de marketing da empresa. Segundo ele, a operadora constatou que, com a queda das tarifa de interconexão, o efeito clube, em que os usuários ficavam restritos às suas operadoras, deixou de fazer sentido. “Queremos oferecer algo que ninguém oferece, seja na proposta de valor, seja no conteúdo”, disse ele, ressaltando que o serviço Claro Vídeo (de vídeo sob-demanda) está disponível sem custo adicional para todos os clientes da empresa (o serviço usa a franquia de dados), assim como o Claro Música (música por streaming, nesse caso sem consumo da franquia).

Para Paulo Cesar Teixeira, CEO da Claro, os novos planos só trazem vantagens ao usuário, sem custos adicionais. Para a operadora, diz ele, certamente existe uma perda de receita estimada por conta daqueles usuários que têm um uso de voz mais intenso, mas a aposta da empresa é que a conquista de novos assinantes compense essa perda. “Não estamos em guerra de preço. É uma tendência mas é preciso coragem e confiança (para entrar nesse modelo)”.

Para José Félix, presidente do grupo América Móvil, esse passo faz pate da estratégia da empresa de buscar a liderança no segmento móvel. “Começamos a integração das diferentes empresas do grupo pelo CNPJ, depois passamos para o serviço com o Combo Multi e outros serviços, e agora damos mais esse passo, de transformar completamente a companhia, com uma visão diferente da que existe no restante do mercado”, disse Félix.

Serviços móveis: Claro adota voz ilimitada para pós-pagos