Crise da Oi: Oi vê com naturalidade acompanhamento da Anatel, mas nega necessidade de intervenção

Ao final da tarde desta sexta, 31, a Oi enviou nota para rebater notícias veiculadas na imprensa sobre possível intervenção do governo pela disputa com credores e por ainda não terem aprovado o plano da recuperação judicial. No texto, a empresa diz que vê “com naturalidade” o acompanhamento da Anatel, mas, apesar de não falar a palavra, rechaça a intervenção ao declarar ter viabilidade e robustez operacional. Ela diz que vem desempenhando as atividades normalmente e apresentando bom desempenho, com aumento em geração de caixa e em investimentos e melhoria nos indicadores de qualidade e de satisfação dos clientes. O presidente da Oi, Marco Schroeder, diz no comunicado que busca “intensamente e incansavelmente alternativas para viabilizar o entendimento” entre acionistas e credores.

Confira abaixo a nota na íntegra:

“A Oi informa que sua administração está comprometida em garantir a sustentabilidade da companhia e os resultados positivos que têm sido obtidos demonstram a viabilidade da empresa e sua robustez operacional. A Oi vem desempenhando suas atividades normalmente e tem apresentado boa performance no negócio, registrando aumento na geração de caixa e crescimento no volume de investimentos em 2016, além de melhoria nos indicadores de qualidade e nos índices de satisfação dos clientes. A companhia vê com naturalidade o acompanhamento que a Anatel tem feito sobre a situação da empresa, mas entende que as melhorias que vem registrando mostram que não há nada que coloque em risco o serviço que a companhia presta a seus clientes e à cadeia do setor de telecomunicações. “A gestão da Oi tem o compromisso de garantir a sustentabilidade da companhia e asseguro que estamos tendo sucesso nessa missão. É parte do nosso comprometimento também buscar intensamente e incansavelmente as alternativas possíveis para viabilizar o entendimento, o mais rapidamente possível, entre acionistas e credores, no sentido de se chegar a um acordo que assegure um ambiente positivo para o futuro da Oi. É importante que as duas partes, entendendo suas responsabilidades, se engajem para alcançar a aprovação de um plano de Recuperação Judicial que fortaleça a Oi. Tenho certeza que há um interesse comum pelo bem da companhia e buscarei ser um facilitador do entendimento”, afirma o presidente da Oi, Marco Schroeder.”

Crise da Oi: Oi vê com naturalidade acompanhamento da Anatel, mas nega necessidade de intervenção