Pagamentos móveis: Picpay

PicPay (Android, iOS) é um app brasileiro de pagamentos móveis. Ele permite que o usuário cadastre seus cartões de crédito e passe a usar o app para a realização de pagamentos para outros usuários, que podem ser tanto pessoas físicas quanto estabelecimentos comerciais cadastrados. Há vários restaurantes participando, no Rio de Janeiro e em São Paulo: neste caso, a vantagem de usar o PicPay é poder deixar a carteira em casa, levando apenas o celular para o almoço. Mas o que eu considero revolucionário mesmo é a sua utilização entre pessoas físicas, especialmente entre amigos. Na hora de repartir os custos de uma festa ou de um churrasco, por exemplo, ninguém precisa sacar dinheiro vivo ou perder tempo com transferências interbancárias (que requerem número de agência, de conta e do CPF, além da cobrança de uma taxa, no caso de DOCs). Em vez disso, escolhe-se o nome do amigo dentro do app, digita-se o valor e a transferência é feita automaticamente para a carteira digital PicPay do destinatário.

Além da praticidade, há uma outra vantagem significativa: o uso do PicPay por pessoa física é totalmente gratuito. O serviço não cobra por depósito, nem por transferência e nem por saque da sua carteira digital. Há, contudo, uma limitação de R$ 800 em recebimento por mês, mas me parece suficiente para a utilização ocasional entre amigos.

Chamou a minha atenção o fato de o PicPay ser um meio para que pessoas físicas realizem pagamentos entre si usando cartão de crédito, sem a necessidade de uma máquina de cartão e a custo zero. As máquinas de cartão, por outro lado, têm um custo de aquisição ou de aluguel, além de cobrarem uma taxa por cada pagamento recebido.

É uma boa solução para artesãos ou outros profissionais liberais que realizam vendas esporádicas e de baixo valor, inclusive à distância. Em vez de integrar seu site a uma ferramenta de pagamento digital automatizada, como PagSeguro, que também cobra uma taxa por transação, esses profissionais podem receber seus pagamentos sem custo via PicPay: basta informar seu nome de usuário no app para os clientes – desde que não vendam mais que R$ 800 por mês. A versão pro do app não tem essa limitação, mas neste caso se cobra um percentual sobre as transações.

O PicPay tem ainda funcionalidades de rede social: é possível ver os pagamentos feitos e recebidos pelos amigos, curti-los e comentá-los. A novidade foi lançada na semana passada. Ainda é cedo para saber se vai pegar no Brasil, pois é uma inovação não apenas tecnológica mas cultural. Se as pessoas gostarem, pode ser um elemento a mais para viralizar o PicPay.

Pagamentos móveis: Picpay