Inteligência artificial: McKinsey: em 2055 robôs representarão metade da força de trabalho global

Se a preocupação das pessoas é com a perda de seus empregos, isso está longe de acontecer. Ou pelo menos uns 40 anos. De acordo com a empresa de análise da Mckinsey Global Institute, a automação vai trazer benefícios substanciais para negócios e para a economia global, mas não mudará do “da noite para o dia”.

No estudo, a empresa releva o papel dos robôs e sistemas autônomos no cenário atual. Para ela, os robôs – por mais inteligentesque sejam – não possuem capacidade física e são caros quando comparados com humanos. Com isso, menos de 5% dos empregos existentes estariam aptos a serem  automatizados.

“Os efeitos da automação podem ser mais lerdos em um nível macro, sem todos os setores da economia, por exemplo, mas podem ser mais rápidos em um nível micro”, diz trecho do estudo. “Para trabalhadores individuais, cujas atividades serão automatizadas, ou para companhias que o seu setor está sofrendo com concorrentes que usam automação”.

Apenas em 2055, as máquinas representarão metade da força de trabalho global, mas isso pode acontecer depois, dependendo dos fatores econômicos. É projetado um aumento da produtividade com automação de 0,8% para 1,4% entre 2014 e 2065.

Além de 2055

Neste futuro, as atividades mais suscetíveis à automação são aquelas relacionadas às atividades físicas em ambientes previsíveis. Outras profissões que podem perder espaço para os sistemas inteligentes são aquelas relacionadas ao processamento e coleta de dados.

A análise da Mckinsey ressalta que apenas nos Estados Unidos, atividades dessa natureza representam 51% da economia e US$ 2,7 trilhões em salários. Setores como manufatura, hospedagem, alimentos e comércio de imóveis devem ser aqueles mais impactados.

É indicado para a próxima geração estudar algum grau de automação. Uma vez que empregos em todas as classes socioeconômicas serão substituídos, e os robôs e sistemas precisarão de pessoas para complementar suas funções e vice-versa.

Inteligência artificial: McKinsey: em 2055 robôs representarão metade da força de trabalho global