Transportes: Com app, Zazcar quer quadruplicar sua base de clientes de carros compartilhados

Os paulistas e os cariocas já se acostumaram com o serviço de bicicletas compartilhadas. Agora falta se acostumarem com a ideia de carros compartilhados. A start-up Zazcar oferece o serviço em São Paulo desde 2013 e agora lançou um app (Android, iOS) para facilitar o processo de cadastramento de usuários e de reserva de veículos, que antes era feito através de um site na web. Com o app, a empresa espera quadruplicar a sua base de clientes até julho do ano que vem, passando de 3,5 mil para 15 mil pessoas na capital paulista, informa seu CEO, Felipe Barroso.

“Com o novo sistema, que é todo feito para mobile, aumentou muito a conveniência e o conforto para o cliente”, diz o executivo. Antes, os interessados em utilizar os carros da Zazcar precisavam fazer um cadastro pelo site e depois iam até o escritório da empresa para retirar o cartão de identificação que dava acesso aos veículos. E quando quisessem usar um carro tinham que entrar na web para reservá-lo. Com o app, lançado em julho passado, tudo passa a ser feito com o smartphone do cliente, desde o cadastro, com digitalização da carteira de motorista usando a câmera do aparelho, até a abertura do carro, passando pela reserva do mesmo, dispensando o antigo cartão. Pelo app, o usuário vê no mapa onde estão estacionados os carros da Zazcar e reserva o mais próximo. Depois, ao chegar perto do veículo, seu smartphone se comunica por Bluetooth automaticamente com um aparelho instalado dentro do carro e a porta se abre. A partir daí começa a contar seu tempo de utilização. O pagamento também é feito pelo app, com um cartão de crédito cadastrado pelo cliente.

“Com o app resolvemos dois desafios: 1) passamos a dar acesso imediato a quem quer usar nosso serviço; 2) distribuímos de forma mais eficaz o serviço, a partir do momento que estamos presentes nas lojas de apps. Multiplicamos por dez a nossa captação mensal de novos clientes”, relata Barroso.

O equipamento instalado nos carros foi desenvolvido pelos próprios técnicos da Zazcar. Além de se comunicar com o smartphone do cliente, envia dados para a Zazcar pela rede móvel da Vivo, com um modem embutido. São coletadas informações do veículo, como odômetro, nível de combustível, localização etc.

Operação

A Zazcar tem 52 pontos de entrega de carros em São Paulo, quase todos dentro de redes de estacionamentos parceiras, como a Multipark. Hoje sua frota é composta apenas pelo modelo Ford Ka, mas em breve passará a trabalhar com outro da mesma marca, só que de uma categoria superior, para atender a outros nichos de mercado. Uma vez dentro do carro, ao contrário das bicicletas do Itaú, o cliente não tem um limite de tempo para devolução. Pode usar o quanto quiser. A cobrança é feita por hora e por quilômetro rodado: R$ 8 por cada hora e R$ 0,50 por cada Km. A devolução do carro deve acontecer no mesmo local de onde foi retirado. Os veículos contam com seguro contra roubo e acidente. O combustível também está incluído: um cartão no porta-luvas pode ser usado pelo cliente para o abastecimento.

A empresa promete expandir para 80 pontos em São Paulo até o fim do primeiro trimestre de 2017. Isso acontece de forma ordenada: cada novo ponto está sempre a uma distância entre 500 metros e 1 Km de outro já existente. A entrada em outras cidades deve acontecer somente no final do ano que vem, mas ainda não foram escolhidas quais.

Competição e comportamento do usuário

Quanto à concorrência, o executivo comenta: “a gente compete de certa forma com todos os modais, mas também somos complementares a eles. Tendemos a ter um conflito maior com o Uber e com a indústria automobilística. E a popularização de meios alternativos de transporte através de smartphones, como Uber e apps de táxi, nos beneficia. Hoje é mais tranquilo para alguém não ter carro, pois há uma oferta quase ilimitada de transporte.”

Barroso reconhece que no começo da operação, em 2013, um dos desafios era explicar o conceito de car sharing para os brasileiros. “Era difícil. No começo ficava restrito a pessoas envolvidas com temas de sustentabilidade e que já tinham conhecido o conceito no exterior. Mas à medida que o smartphone se popularizou não precisamos mais desse processo de aculturamento. Essa barreira acabou”, afirma.

O perfil médio do usuário da Zazcar é homem, solteiro ou casado, mas sem filhos, com idade entre 24 e 45 anos e alta escolaridade, relata.

Análise

Ciente da concorrência que serviços de car sharing representam para o seu negócio, a indústria automobilística começa a se associar a eles. O caso mais recente foi da Toyota, que investiu US$ 10 milhões no Getaround, um serviço de car sharing nos EUA. Barroso admite que há um processo de consolidação em curso no exterior e não descarta que chegue ao Brasil em algum momento.

Transportes: Com app, Zazcar quer quadruplicar sua base de clientes de carros compartilhados