Wi-Fi: Brasil é o maior mercado do Instabridge, com 2 milhões de usuários

O Brasil é hoje o maior mercado do Instabridge (Android, iOS), aplicativo de compartilhamento de senhas de pontos de acesso de Wi-Fi público. O serviço tem hoje 2 milhões de usuários no País, o que corresponde a 66% da sua base mundial, que é de 3 milhões. Seu segundo maior mercado é o México. A empresa é sueca e só recentemente contratou uma pessoa para atuar como gerente de comunidade no Brasil.

Em entrevista para Mobile Time, um dos fundadores do Instabridge, Niklas Agevik , conta que o fenômeno brasileiro aconteceu de maneira espontânea, no boca a boca. “De uns dois anos para cá começamos a crescer muito no Brasil. As pessoas foram aderindo e chamando os amigos”, relata.

O aplicativo depende da colaboração do público. São os próprios usuários que adicionam novos hotspots e informam suas senhas para a conexão. Há 3 milhões de pontos de acesso listados mundo afora no Instabridge. Na América do Sul são 251 mil. Segundo Agevik, um usuário brasileiro informou sozinho os dados de mais de 600 redes Wi-Fi no Brasil. “E essa pessoa nunca nos contactou! Queria pelo menos mandar uma camiseta para ele, como agradecimento”, comenta.

Segundo o executivo, se algum dono de rede solicitar, seu ponto de acesso é retirado imediatamente da lista. Porém, em mais de três anos de existência, isso aconteceu somente uma vez. “Na verdade, acontece o contrário: muita gente nos escreve para perguntar por que a sua rede não está no Instabridge. Afinal, é bom para o estabelecimento comercial, pois recebe mais clientes”, explica.

Com o app instalado, o usuário vê quais as redes Wi-Fi catalogadas no Instabridge e disponíveis ao seu redor. O app informa até a qualidade de cada uma, com sua velocidade média de download e de upload. O usuário pode se conectar a qualquer uma, sem ter que digitar a senha, pois esta é preenchida automaticamente pelo aplicativo. É possível ainda baixar a lista de redes por continente antes de fazer uma viagem internacional. Na Europa Ocidental, por exemplo, estão catalogadas redes de nove países, somando 21 MB de dados. Na América do Norte são 39 MB. No mundo inteiro, 216 MB.

Agevik entende que seu serviço não deve ser visto como um inimigo das operadoras de telefonia móvel. Ao contrário: na sua opinião, quanto mais uma pessoa é estimulada a usar dados móveis, mais ela vai utilizá-los independentemente da rede.

Modelo de negócios

O Instabridge é gratuito e pretende continuar sempre assim. Mas em 2017 ganhará algumas funcionalidades premium pelas quais será cobrada uma taxa. Uma delas será a possibilidade de trafegar os dados por meio de uma rede privada virtual (VPN, na sigla em inglês), conferindo maior segurança e privacidade no acesso. Outra funcionalidade será a conexão com mais velocidade, que será provida por meio de parceria com redes privadas de Wi-Fi.

A base de usários vem crescendo rapidamente, a uma velocidade de 15 mil instalações por dia no mundo. Em janeiro passado, eram 2 mil por dia: ou seja, o ritmo está se acelerando. Por isso, o executivo evita fazer projeções de crescimento da base. E garante que não pretende vender a empresa tão cedo.

Wi-Fi: Brasil é o maior mercado do Instabridge, com 2 milhões de usuários