Bots: Nama: start-up brasileira cria plataforma para a construção de chatbots

A Nama é uma start-up nacional que desenvolveu uma linguagem própria para a construção de chatbots. A empresa aproveitou a experiência de seus fundadores com soluções de reconhecimento de fala e aplicou em atendimento automatizado em bate-papo por texto. Rodrigo Scotti, um dos seus sócios, esteve à frente da Das Dad, empresa que em 2012 criou o aplicativo para iPad “24 horas Veja.com”, que transformava em vídeo as principais notícias da revista – o case ganhou o prêmio Tela Viva Móvel daquele ano na categoria de conteúdo para tablets.

Inicialmente, alguns anos atrás, Scotti planejava criar um assistente virtual por voz para empresas, uma espécie de Siri corporativo, para ser integrado em apps de terceiros. Depois, percebeu que o caminho era aproveitar a força das plataformas de comunicação instantânea e focar em texto, não em voz.

“Temos uma linguagem própria para construir os robôs que leva em consideração a conversação, a percepçao de contextos e de subcontextos em uma conversa. Usamos deep learning e processamento de linguagem natural. Treinamos a máquina para entender as conversas de forma mais profunda. O bot é algo vivo, que vai assimilando e aprendendo. Os nossos compreendem a intenção do usuário por trás da conversa”, descreve Scotti.

O público-alvo da Nama são desenvolvedores e integradores que queiram construir chatbots para empresas. “Em vez de usarem APIs estrangeiras que existem por aí, podem adotar uma plataforma com matriz latina e com suporte local”, argumenta. Há planos de tornar a plataforma open source para a comunidade de programadores até o final do ano, diz o empreendedor.

Ele destaca ainda como outro diferencial o fato de a sua plataforma funcionar de maneira omni-channel, continuando a conversa mesmo que o consumidor troque de meio de comunicação, seja SMS, Telegram, Messenger, email ou qualquer outro.

Cases

Além de oferecer a sua tecnologia para terceiros, a Nama trabalha na construção de bots para grandes clientes. Entre os projetos em andamento há um para suporte interno de um banco, outro para uma grande distribuidora de bebidas e um para o governo do estado de São Paulo, com o objetivo de automatizar o agendamento do serviço Poupatempo.

A Nama conta com nove profissionais e foca bastante na experiência do usuário. A empresa é uma das start-ups instaladas no Google Campus de São Paulo e já captou R$ 650 mil em investimento. Em breve passará por uma nova rodada em busca de investidores.

Bots: Nama: start-up brasileira cria plataforma para a construção de chatbots