Cidades inteligentes: Bueiros conectados e “ouvidos” em postes são instalados no Rio

A região do Porto Maravilha, na antiga zona portuária do Rio de Janeiro, se transformou em um extenso laboratório para soluções de Internet das Coisas (IoT) e soluções para cidades inteligentes. Com a liderança da Cisco, por meio do seu Programa de Inovação Urbana, em parceria com diversas start-ups e com o apoio da prefeitura da capital fluminense, foram desenvolvidos para aquela área 15 novos serviços públicos, todos lançados oficialmente nesta quarta-feira, 6. A ideia é que muitos deles sejam expandidos para outros bairros da cidade no futuro, se obtiverem sucesso.

Um dos que mais chama a atenção é o de bueiros conectados, criados pela NetSensors. Trata-se de uma solução para evitar o entupimento dos mesmos. 28 bueiros da região receberam uma espécie de filtro para evitar a passagem de resíduos sólidos e um sensor que mede de 12 em 12 horas o volume de água e dispara um alarme caso haja risco de transbordamento. A comunicação é feita via Wi-Fi ou GPRS. E em breve será usado também o padrão LoRa, recomendado pela Cisco para IoT. A bateria do sensor dura um ano. A solução evita alagamentos e reduz os custos com a limpeza, já que os garis não precisam mais seguir um roteiro de visita a todos os bueiros, mas só àqueles que estão em vias de ficarem entupidos. A mesma solução já é adotada em 110 bueiros de São Paulo e está sendo negociada com outras 11 prefeituras, informa Carlos Chiaradia, CEO da NetSensors.

Bueiro conectado na Praça Mauá, no Rio de Janeiro

Outra solução que merece destaque é a de “ouvido eletrônico” para segurança pública. Trata-se da instalação de um conjunto de quatro microfones no alto de um poste para monitorar o som ambiente e detectar barulhos que indiquem situações de emergência, como tiros, explosões ou gritos de pânico. O processamento e a análise dos sons captados é feita no próprio equipamento. Quando algo estranho é identificado, um alerta é enviado via rádio para o centro de monitoramento da Porto Novo, concessionária que admnistra a região. Os microfones ficam em alturas diferentes para permitir a localização precisa da origem do som. Uma câmera acoplada é imediatamente direcionada para o ponto de onde partiu o barulho. “Conseguimos identificar até o tipo de arma que disparou o tiro”, afirma Ivo Frazão, gerente de produto da Audio Alerta, empresa responsável pela solução. Os equipamentos foram instalados em dois pontos do Porto Maravilha. Cada um consegue escutar e distinguir um tiro em um raio de até 150 metros. As cidades de Fortaleza e de Recife também já adotaram essa solução.

“Ouvidos” eletrônicos em poste na Praça Mauá, no Rio

Foram instalados também 11 estações com sensores ambientais, para medir índices variados, como emissão de CO2, intensidade de raios ultravioletas etc.

Turismo

Foram desenvolvidos vários serviços voltados para os turistas. Um deles consiste em quatro totens com telas sensíveis ao toque onde é possível checar informações sobre pontos de interesse na região do Porto Maravilha, como museus, eventos, restaurantes, comércios etc. No totem é possível traçar rotas em um mapa até o local desejado. O equipamento está integrado com o app Livrit, que mapeia a acessibilidade no Rio de Janeiro e, logo, consegue informar rotas que possam ser feitas por pessoas com mobilidade restrita, como usuários de cadeiras de rodas.

Outro serviço voltado ao turista é um quiosque da RioTur, que permite um atendimento via videoconferência. O quiosque é equipado com uma impressora, caso seja necessário imprimir guias ou outras informações. Também foi lançado o app Guia Inteligente, que permite a criação de roteiros personalizados para atrações no Porto Maravilha, de acordo com o perfil de cada visitante.

Além disso, quem passa pela Praça Mauá e pela Orla Conde agora conta com uma rede Wi-Fi com acesso gratuito, a Wi-Fi Porto, composta por 26 pontos de acesso que cobrem 100 mil metros quadrados.

Também pensando nos turistas, foi criada a campanha “Eu cuido do meu destino”, que promove o turismo com atrações locais autênticas, integrando a comunidade do entorno da Praça Mauá com os turistas que a visitam.

A Cisco também incentiva o uso no Porto Maravilga do app Nearbee, sobre o qual MOBILE TIME já escreveu, e que propõe a colaboração entre pessoas que estejam próximas.

Cidades inteligentes: Bueiros conectados e “ouvidos” em postes são instalados no Rio