Artigo: Como anda o 4G no Brasil?

Uma conexão na velocidade da luz e com qualidade superior. Este é o cenário favorável para a geração conectada. A tecnologia para a telefonia móvel apresenta avanços constantes e o 4G é o super-herói que promete aquilo que todo mundo sempre sonhou: internet veloz. Ainda que a promessa seja boa e com a melhor das intenções, será que é a hora de aderir ao serviço 4G no Brasil?

A  velocidade da internet 4G no país avançou, mas a cobertura ainda é limitada. Lançado há pouco mais de dois anos por aqui, o 4G, de acordo com dados das operadoras, está presente em cerca de 500 municípios, que concentram 52% da população brasileira. Considerando que o Brasil tem mais de 5 mil municípios, este número ainda é pequeno – mas, apesar da adoção tardia do 4G, a cobertura vem sendo expandida rapidamente.

O padrão das redes 4G é capaz de suportar até 100 Mbps, mas tal capacidade não sai da teoria. Na prática, esta velocidade só é alcançada, no entanto, em condições muito específicas. A velocidade média no Brasil  é 11 Mbps – o que ainda é maior do que as das redes 3G e 3G+ que, geralmente, ficam entre 1 Mbps e 3 Mbps. Este número coloca o país no fim da fila em cobertura e rapidez do 4G de acordo com o estudo The State of LTE, da OpenSignal, que compara as velocidades de acesso e cobertura do 4G entre 29 países.

Ainda assim, a velocidade média do 4G no Brasil é muito superior à velocidade média da internet fixa, que gira em torno de 3 Mbps. Obviamente, em grandes centros, a internet fixa tem velocidades maiores, mas a realidade do Brasil é outra. O 4G aqui tem velocidades semelhantes às de países como a Suécia, um dos primeiros países a adotar o 4G.  Países pioneiros na instalação do 4G passam a compartilhar o uso da capacidade da rede e acabam tendo velocidades médias menores.
Então, para começar, já sabemos que a velocidade é relativamente boa, mas tende a diminuir à medida que mais pessoas passam a aderir ao 4G e compartilhar o uso da capacidade da rede.  Se a ideia é comprar um celular novo e investir em um aparelho com a tecnologia 4G, o investimento é válido.  Os celulares que contam com a nova rede estão com o preço caindo e a tendência é que a tecnologia avance pelo país e melhore cada vez mais. Ou seja, não falta muito para que o seu celular 3G fique ultrapassado.

Com relação ao pacote de dados, o primeiro ponto é avaliar como e para quais atividades você usa o seu smartphone. Se você costuma verificar e-mails, acessar redes sociais e aplicativos de bate-papo, talvez o 4G não seja agora a melhor alternativa.  Tais demandas não são pesadas e nem exigem uma velocidade alta para operar de forma eficaz. Por outro lado, o pacote 4G atenderá bem casos específicos de quem precisa de velocidade para baixar arquivos muito pesados ou mesmo fazer uploads.

Outro detalhe relevante: pesquise a qualidade da internet 4G na sua região*. Um aparelho 4G com um bom pacote oferecido pela operadora não valerá de nada se a cidade que você reside não possui a cobertura do sistema 4G. As regiões Sul e Sudeste são as que apresentam melhor cobertura até o momento.

Por contrato, as operadoras brasileiras estabeleceram 5 Mbps como velocidade do 4G, mas o 4G brasileiro entrega velocidades muito superiores ao contratado. Por fim, antes de sair correndo e optar por pacotes de dados 4G, repense seu consumo e recursos que usa no smartphone e só depois faça a melhor escolha.

Confira aqui as cidades com cobertura 4G no Brasil.

Artigo: Como anda o 4G no Brasil?