Banco do Brasil quer liberar R$ 3,5 bilhões em crédito por meio do celular

O Banco do Brasil já atingiu a marca de R$ 200 milhões por mês de liberações de crédito para pessoas físicas por meio de seu aplicativo para celular. A instituição pretende liberar R$ 3,5 bilhões de crédito ao consumo e financiamentos, também pelo aplicativo, até o final do ano.

Como parte da estratégia, o BB possibilita ao cliente financiar digitalmente um veículo, sem necessidade de comparecer à agência, modalidade em que atingiu a marca de R$ 70 milhões.

“A digitalização do crédito e financiamento ao consumo é uma tendência para todo o mercado bancário brasileiro para os próximos anos, mas nós já estamos nos antecipando, a exemplo do que fizemos no caso dos cartões de crédito virtuais. Com conveniência e segurança, o cliente já está aprendendo a solicitar as mais diversas linhas de crédito de qualquer lugar, sem precisar comparecer a uma agência bancária”, declara Raul Moreira, vice-presidente de negócios de varejo do banco.

Para Edmar Casalatina, diretor de empréstimos e financiamentos do BB, “o uso de novas tecnologias tem exigido uma nova forma de se relacionar com os clientes. No mercado de veículos, por exemplo, muitos negócios são fechados aos finais de semana, quando não há atendimento bancário nas agências”.

No caso do financiamento de veículos, uma das premissas adotadas foi a simplificação do processo, sem abrir mão da segurança. O crédito é analisado conforme as condições da proposta e, após a aprovação, o cliente envia pelo próprio aparelho a documentação do veículo: Nota Fiscal para veículos 0KM e CRV/DUT para usados.

Praticamente todas as linhas de crédito já estão sendo disponibilizadas via dispositivos móveis. O BB vem dando ênfase nas linhas de crédito pessoal (automático, salário e consignado), nas linhas de antecipação (Imposto de Renda e 13º salário) e também em financiamento de bens e serviços.

Uma novidade para os próximos meses será especializar ainda as aplicações de empréstimos e financiamentos digitais, agora incorporando os conceitos de crédito responsável e educação financeira.

“Queremos que o cliente consiga analisar, de forma muito simples, o seu portfólio pessoal de empréstimos e decida pela opção mais barata e mais adequada às suas necessidades ou situação financeira”, complementa Raul.

Banco do Brasil quer liberar R$ 3,5 bilhões em crédito por meio do celular