IBM e Cidade Democrática criam app focado na crise hídrica de São Paulo

Os níveis dos reservatórios de água que servem os cidadãos paulistas já ultrapassaram a barreira do que pode ser classificado com “crítico”. Engajados na questão da crise de abastecimento vivenciada no Estado de São Paulo, a IBM Brasil e o Instituto Cidade Democrática lançaram um aplicativo orientado à delicada situação.

“Trata-se de uma ferramenta colaborativa para que qualquer cidadão possa registrar incidentes relacionados à água, como localização de fontes, vazamento, falta, entre outros, além de abrir espaço para troca de ideias sobre como poupar o recurso natural”, informam as companhias.

O intuito do app Água Viva é utilizar a inteligência coletiva para produzir propostas e ações transformadoras, por meio da interação, colaboração e exercício do papel social de cada um em prol de um bem comum.

As informações coletadas pelo sistema serão analisadas e levadas ao poder público pelo Instituto Cidade Democrática, potencializando a capacidade da sociedade civil em articular-se para auxiliar os governantes na tomada de decisões.

A ferramenta será gratuita e irá, inicialmente, registrar as situações no Estado de São Paulo. O aplicativo está disponível para dispositivos móveis que rodam Android e, em breve, para iOS.

Como funciona

As categorias que fazem parte do app Água Viva são “Faltou Água”, “Vazamento de Água”, “Realidade dos Poços”, “Fontes de Água” e “Ações para Economizar”. Dentro de cada uma, há subcategorias para especificar rapidamente dados como período do dia, frequência, características e tipo de local.

Após selecionar a opção, o usuário pode adicionar uma foto para visualização, comprovando os dados incluídos no aplicativo. Dependendo do tópico, as informações podem ser trocadas por texto, como é o caso das dicas para economizar água. As ocorrências fornecidas pelos usuários estarão disponíveis em um site da iniciativa

Desenvolvido pela IBM, o aplicativo utiliza tecnologia chamada Mobile Aplication Fabric (MAF), uma plataforma de desenvolvimento de aplicações de georeferenciamento criada pelo Laboratório de Pesquisa da provedora no País e baseada no Worklight Foundation.

Esta ferramenta permite a criação rápida de aplicações móveis para crowdsourcing, possibilitando aos usuários identificar eventos contendo informações associadas à sua localização coletadas automaticamente.

Ao utilizar o aplicativo o usuário pode colaborar na apuração do que está acontecendo com a água nas regiões da cidade. Na segunda fase do projeto, a IBM vai usar tecnologias analíticas para gerar insights de dados coletados pelo aplicativo. Eles serão relatados às autoridades, a fim de ajudá-las a tomar as melhores decisões sobre os problemas identificados.

“A ideia do projeto é que as pessoas e os órgãos públicos se apropriem dos dados contidos no aplicativo para formular políticas públicas a fim de solucionar a crise de água. Este é o primeiro levantamento que iremos fazer por app”, diz Rodrigo Bandeira, cofundador e coordenador de mobilização do Instituto Cidade Democrática.

IBM e Cidade Democrática criam app focado na crise hídrica de São Paulo