Governo móvel: Poupatempo no celular: acesso patrocinado custará R$ 20 milhões ao ano para o Estado de SP

O governo do Estado de São Paulo quer oferecer à população trafego de dados gratuito no acesso aos serviços do Poupatempo por meio de dispositivos móveis. Em entrevista ao MOBILE TIME, o subsecretário de tecnologia e serviço ao cidadão do Estado de SP, Julio Semeghini informou que o governo está em conversas com as operadoras de telefonia móvel para viabilizar o projeto. Até hoje, a única iniciativa do gênero que saiu do papel juntando todas as teles simultaneamente foi a do Bradesco, que garante navegação gratuita em seus apps.

De acordo com o subsecretário, dois serviços de 0800 de dados devem ser contratados para prover aos usuários paulistas acesso aos 25 aplicativos do Serviço SP, loja de apps do governo para Android, iOS e Windows Phone com serviços como Detran-SP, agendamento de serviços do Poupatempo e consulta de antecedentes criminais.

“Até o final de 2016, 50% dos atendimentos serão virtuais. Isso permitirá levar outros serviços básicos ao Poupatempo, como saúde e segurança”, disse Semeghini. “Nós estamos construindo o modelo com as operadoras. Custará um décimo do preço da conta mensal e em um minuto de voz a gente consegue colocar 20 pessoas”.

O pagamento às operadoras que seria em torno dos R$ 20 milhões ao ano seria feito por meio da economia de gasto com atendimentos físicos e telefônicos realizados nas 66 unidades do Poupatempo em São Paulo. São recebidas cerca de 265 mil ligações por mês, com uma duração média de sete minutos cada.

Modelo de negócios

O coordenador de TI da subsecretaria, Aldo Fábio Garda, explica que o modelo com as operadoras será por contrato e não por licitação, pois precisa de negociação direta de valores. Segundo Garda, cada agendamento deve levar em média um minuto ou 0,3 MB de acesso, algo que custará aos cofres públicos R$ 0,13 por acesso.

“Em nossa análise de custos, hoje nós temos 265 mil atendimentos mensais no Poupatempo. Se você tiver o 0800 de dados, vai economizar os gastos com telefonia e amplificará o potencial do atendimento para o virtual”, afirmou Garda.

Criado pela Qualcomm, o projeto do 0800 de dados permite ao usuário acessar a uma página ou aplicativo, sem a necessidade de ter plano de dados funcionando em seu smartphone. Segundo Oren Pinksy, diretor de desenvolvimento negócios da Qualcomm e um dos responsáveis pelo projeto do 0800 de dados, o governo de São Paulo deve contratar “100 GB por mês” que deve ser dividido entre as operadoras.

Mobilidade estadual

Julio Semeghini indica que o Estado de SP está em processo de digitalização de seus serviços gerais, não apenas do Poupatempo. Ele cita como exemplo o processo de digitalização das impressões digitais com o Instituto de Identificação Ricardo Gumbleton Daunt (IRGD).

“O governo do Estado está criando e lança em outubro o banco de imagens único do Estado. Ele tem a impressão digital no padrão AFIS (Automated Fingerprint Identification System, ou Sistema de Identificação Automatizada de Impressões Digitais)”, explicou Semeghini. “Esse padrão AFIS é internacional e permite trocar informações com a polícia de qualquer lugar do mundo. Em novembro, teremos 10 milhões de paulistas cadastrados no padrão AFIS. Hoje, temos 6 milhões. Estamos migrando uma parte”, completou.

Outra novidade no processo de digitalização dos serviços é a introdução do sistema de pagamento de taxas bancárias via totem e portal, similar aos caixas eletrônicos e que deve ser lançada em 60 dias com parceria com Banco do Brasil, Bradesco, HSBC e Itaú. Em um segundo momento, o pagamento de taxas será levada aos dispositivos móveis, ainda sem previsão.

“O cidadão que quiser tirar a segunda via de RG não precisa ir a um Poupatempo. Vai a um quiosque, ou totem, entra, se identifica, checa seus dados na tela, atualiza endereço se necessário, imprime o boleto, paga e recebe o documento em casa”, exemplificou o subsecretário.

Governo móvel: Poupatempo no celular: acesso patrocinado custará R$ 20 milhões ao ano para o Estado de SP